Comunidade Europeia debate uso de óleo de palma para biodiesel

Publicado em por
Comunidade Europeia debate uso de óleo de palma para biodiesel

Após pressão de ecologistas, a Comunidade Europeia classificou o biodiesel com óleo de palma como insustentável, mas medidas restritivas não são claras

O óleo de palma tem um impacto muito alto para as florestas, especialmente para a biodiversidade de regiões na América Latina e Ásia. Além de desmatar e alterar o ecossistema, a extração do óleo viola direitos de populações indígenas e rurais. Na Indonésia, mais da metade do país tem o território destinado ao cultivo da palma. O país, junto com a Malásia, produz grande parte do óleo consumido, numa indústria que gera US$ 40 bilhões anuais.

Para aumentar a produção do óleo, muitos desmatam as florestas tropicais para plantar as árvores que necessitam espaço, e geram problemas para animais que vivem nestes ambientes. Segundo um estudo publicado na revista científica Current Biology, mais de cem mil orangotangos foram mortos nos últimos 16 anos, em Bornéu, devido às plantações de palma.

Por isso, no final de janeiro, um grupo vestido com máscaras de orangotango reclamou em frente ao escritório da Comunidade Europeia em Madri uma ação mais proibitiva sobre a exploração da palma.

A ação forma parte de uma campanha ampla, que atua também em outras capitais europeias, com o título de #NotInMyTank (Não na Minha Conta). Eles conseguiram reunir 500 mil assinaturas, e desenvolvem atos para conscientizar a população e pressionar os governos para colocar fim à exploração do óleo para uso no biodiesel.

Segundo a ativista da ONG Ecologistas em Acción, 51% da produção do óleo de palma que chega na Comunidade Europeia é usado no setor de transporte, com o nome de biodiesel. Ela comenta que não tem sentido usar este vegetal para combustível, já que estudos vêm mostrando que emitem mais gases que outras fontes mais convencionais.

CE busca solucionar o uso do biodiesel com palma

A pressão derivou-se numa decisão histórica. No início de fevereiro a Comissão Europeia reconheceu que o biodiesel produzido com óleo de palma impacta de forma negativa sobre o meio ambiente. Para contornar a situação, elaborou uma proposta para consulta pública sobre a proibição do uso do óleo de palma extraído de árvores sem o certificado de produção sustentável até a ano 2021.

Nesta proposta, somente poderiam usar óleo extraído de árvores em pequenas plantações, entre 2 e 5 hectares, ou em terras não utilizadas nos últimos 5 anos.

A federação europeia da ONG Transport&Environment destacou que esta restrição não teria nenhum efeito sobre a atual exploração. Segundo a ONG, pequenas propriedades de terra servem para as grandes corporações e acabam alimentando o modelo de negócios dos gigantes do óleo de palma.

Por outro lado, ao usar terra “não utilizada”, a ONG destaca que muitas áreas podem ser consideradas sem uso apesar de serem importantes para as comunidades locais e para o ecossistema.

Apesar da caída do uso de óleo de palma para a fabricação de alimentos, o consumo do óleo segue em crescimento devido ao biocombustível, e a Comunidade Europeia é a segunda maior importadora do cru de palma em todo o mundo.

A FUNIBER patrocina o Mestrado em Engenharia e Tecnologia Ambiental para profissionais interessados em ampliar a formação neste setor, e melhorar as oportunidades de trabalho no setor de desenvolvimento sustentável.

Fontes:

Ecologistas piden a la Unión Europea excluir al biodiésel de palma por destrucción de biodiversidad

Como demanda por óleo de dendê ameaça orangotangos

Ecologistas llama a participar en una consulta europea contra las subvenciones a biocombustibles

Foto: Creative Commons por Pixabay