Publicado em por
Bagaço de ouro líquido: a esperança atenuante do mal de Alzheimer
Gerontologia

Bagaço de ouro líquido: a esperança atenuante do mal de Alzheimer

Uma equipe de pesquisadores espanhóis poderia ter conseguido curar ou desacelerar doenças neurodegenerativas graças à aplicação do bagaço de azeite de oliva

Existem muitas qualidades positivas conhecidas que o azeite de oliva oferece à saúde. As características benéficas do chamado ouro líquido variam desde a prevenção de doenças cardiovasculares e estresse oxidativo, até a correta mineralização dos ossos, entre muitas outras. Continue lendo

Publicado em por
Entendendo a velhice como mais uma etapa
Gerontologia

Entendendo a velhice como mais uma etapa

O idoso é considerado pela sociedade como um problema quando o que é verdadeiramente preocupante é a falta de recursos para enfrentá-lo

Espera-se que até o ano de 2050, a proporção de habitantes do planeta com mais de 60 anos duplique, de 11% para 22%, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS). A falta de uma cultura do envelhecimento significa que em torno dos idosos se transformam mitos e estereótipos que os fazem ser vistos como um problema perante a sociedade. A velhice é o futuro de todas as pessoas, e ver esta fase da vida como um problema é um erro grave que deve ser remediado. O que é uma real desvantagem são os problemas sociais e as situações desfavoráveis ​​que tornam este estágio mais difícil de viver. O objetivo é melhorar as políticas sociais para tornar este período o mais fácil e fácil possível. Continue lendo

Publicado em por
funiber-sexo-cognitivo
Gerontologia

Sexo melhora o desempenho cognitivo em idosos

A prática frequente de atividades sexuais ajuda a melhorar o desempenho cognitivo e a saúde em geral

De acordo com um estudo publicado na revista The Journals of Gerontology, os idosos que têm uma alta frequência de atividade sexual têm um desempenho cognitivo mais alto. O estudo desenvolvido por pesquisadores da Universidade de Oxford e Coventry, consistia de um questionário em que se perguntou sobre a frequência das relações sexuais – nunca, mensal ou semanalmente – saúde geral e estilo de vida. Das 73 pessoas que participaram do estudo entre 50 e 83 anos de idade (28 homens e 45 mulheres), 37 disseram que faziam sexo semanal, 26 mensalmente e 10 disseram não ter relações sexuais. Continue lendo