Prêmio Nobel da Paz pede tribunal internacional para crimes contra meio ambiente

Publicado em por
Prêmio Nobel da Paz pede tribunal internacional para crimes contra meio ambiente

Reunidas em Honduras, Tawakkol Karman e Shirin Ebadi, prêmios Nobel da Paz, reinvidicam um tribunal internacional para julgar assassinatos de ambientalistas

A iemenita Tawakkol Karman, prêmio Nobel da Paz em 2011, pediu a criação de um tribunal internacional para julgar as empresas multinacionais por danos ao meio ambiente, e por provocarem a mudança climática.

A declaração foi realizada durante uma coletiva de imprensa em Honduras, junto à advogada iraniana Shirin Ebadi, também prêmio Nobel da Paz, em 2003. Elas visitaram o país para dar respaldo a um grupo feminino que luta contra a construção de represas e a atividade mineira no país, “Mujeres Tierra Paz”.

Em 2016, a líder indígena Berta Cáceres, coordenadora do Conselho Cívico de Organizações Populares e Indígenas de Honduras (Copinh), foi assinada por pistoleiros que entraram em sua casa. Após um estudo de criminalística, o Grupo Assessor Internacional de Pessoas Especialistas (GAIPE), integrado por cinco pessoas, informaram que agentes do Estado e diretivos de empresas participaram do assassinato.

A planificação e a execução do assassinato coincidem com manifestações ocorridas nas comunidades indígenas contra um projeto de represa no rio Gualcarque, território de indígenas lenca.

A oposição ao projeto hidroelétrico começou em 2013 quando Cáceres reuniu as comunidades indígenas para explicar sobres os prejuízos para o local com a obra. Após o assassinato da líder, uma delegação do Copinh conseguiu que suspender o apoio de bancos holandeses e fineses, que financiavam a obra.

Honduras, taxa mais alta em assassinatos contra opositores

O país registra a taxa mais alta em todo o mundo de assassinatos a defensores da terra e dos direitos humanos. Em 2006, 14 pessoas perderam a vida por defenderem causas sociais e ambientais.

“Convido a que exista uma corte internacional especial para a luta contra a corrupção e a lavagem de dinheiro e contra todos os involucrados na destruição do meio ambiente, e exploração do clima de forma danosa” afirmou Tawakkol Karman.

Ela propõe que este tribunal seja similar à Corte Penal Internacional, mas que julgue os implicados de todas as operações em que haja assassinatos de defensores de direitos humanos e ambientalistas.

Interessados em atuar de maneira eficaz para a conservação ambiental? Os programas de mestrado e especializações patrocinados pela FUNIBER oferecem uma oportunidade ideal para a formação continuada.

Fonte: Premio Nobel yemení propone tribunal mundial para delitos contra naturaleza

Mujeres Nobel llegan a Honduras
Foto: Todos os direitos reservados