Greenpeace pede a liberação de ativistas ao governo russo

Publicado em por

No último dia 18 de setembro, 28 ativistas, acompanhados por um fotógrafo e um cinegrafista, foram detidos pelo envolvimento em um protesto contra a plataforma de perfuração Prirazlomnaya, da empresa Gazprom, que partiu rumo ao Ártico, e que, de acordo com o Greenpeace, é uma plataforma insegura e inevitavelmente sofrerá vazamento. Para evitar que seus ativistas sejam presos, o Greenpeace iniciou uma coleta de assinaturas mundialmente em seu website.

Durante o protesto, dois ativistas subiram na plataforma da Gazprom para pendurar uma faixa e um dia depois deste ato os agentes de segurança do governo russo desceram de helicóptero sobre o navio Artic Sunrise do Greenpeace e detiveram toda a equipe.

Os especialistas do Greenpeace consideram que estabelecer plataformas de perfuração na região do Ártico poderia ameaçar a vida silvestre, devastar o entorno e contribuir para a deterioração ambiental mundial.

O Greenpeace elaborou relatórios sobre a plataforma em questão e os ativistas estão convencidos de que esta operação de perfuração implica muitos riscos ambientais. No relatório “10 razões para agir e deter as atividades da plataforma petrolífera Prirazlomnaya, da Gazprom”, os especialistas da ONG ambientalista garantem que a plataforma simplesmente “não é segura” e que “um vazamento de petróleo é inevitável”.

Além do risco que implica a operação da plataforma, os especialistas indicam que seria “praticamente impossível limpar um vazamento de petróleo no Ártico” e ressaltam que a região do Ártico é “muito frágil”.

Website para assinar a petição dirigida ao governo russo:

http://www.greenpeace.org/international/en/news/Blogs/makingwaves/10-reasons-to-take-action-to-stop-gazproms-pr/blog/46766/

As 10 razões para deter as atividades da plataforma de perfuração:

http://www.greenpeace.org/international/en/news/Blogs/makingwaves/10-reasons-to-take-action-to-stop-gazproms-pr/blog/46766/

Foto:
Greenpeace