A obesidade na infância pode provocar depressão, aponta estudo

Publicado em por
O impacto negativo da obesidade nas crianças

Um estudo realizado por pesquisadores holandeses mostra que as crianças com excesso de peso apresentam um risco até quatro vezes maior de sofrer depressão em algum momento de suas vidas

O excesso de peso pode representar diversos problemas para a saúde, mas na infância a obesidade pode representar maiores problemas. Além de estar associada aos riscos de sofrer doenças como o câncer ou cardiovasculares e metabólicas, as crianças obesas apresentam maiores chances de desenvolverem transtornos psicológicos.

De acordo com a diretora da pesquisa, Deborah Gibson-Smith, “os resultados sugerem que alguns dos mecanismos subjacentes que vinculam o sobrepeso ou a obesidade com a depressão se derivam da infância. Neste contexto, um risco genético compartilhado ou uma baixa autoestima, certamente frequente naqueles que não se ajustam ao tipo de corpo ‘ideal’, poderiam ser as responsáveis desta associação”, afirmou.

O estudo se une a outros anteriores que revelam que pessoas com excesso de peso têm uma tendência maior a desenvolver a depressão. Mas estes dados relacionados à infância ainda não são muito claros.

Para entender melhor o vínculo, os pesquisadores holandeses analisaram a evolução de 889 pessoas que participaram de um estudo na Islândia (Estudo de Reykjavik) que visava conhecer o estado de saúde das pessoas nascidas entre 1907 e 1935 na capital islandesa.

Foram analisados questionários que informam sobre o índice de massa corporal (IMC) dos participantes quando tinham entre 8 e 13 anos, e depois quando cumpriram os 50 anos. Também observaram os casos respondidos quem os participantes revelavam ter sofrido sintomas depressivos ou algum diagnóstico de depressão mais severa.

A conclusão obtida é que as crianças islandesas que presentaram sobrepeso ou obesidade na infância, tiveram um risco quatro vezes maior de desenvolver uma depressão mais severa.

Considerando que a Organização Mundial da Saúde (OMS) alertou no ano passado sobre os níveis alarmantes da obesidade infantil em todo o mundo, o estudo se mostra ainda mais preocupante. De acordo com um relatório da Comissão para Acabar com a Obesidade Infantil, há pelo menos 41 milhões de crianças com menos de cinco anos que estão obesas ou acima do peso.

A Comissão faz uma série de recomendações para combater o problema. Entre estas, pedem a criação de programas que incentivem a atividade física e reduzam o sedentarismo entre crianças e adolescentes.

Com o Mestrado em Atividade Física e Saúde, patrocinado pela FUNIBER, os profissionais da área de Esporte podem capacitar-se para planejar e acompanhar atividade física para a infância.

Fontes: Los niños obesos tienen un riesgo cuatro veces mayor de acabar padeciendo depresión (ABC)

OMS alerta que mundo atingiu níveis alarmantes de obesidade infantil (ONU)

 Foto: Todos os direitos reservados